Arte Nova em Aveiro

Cultura

Arte Nova em Aveiro

Encontramos alguns exemplos de Arte Nova em Aveiro e fizemos um mapa para os descobrires.
Mas há muitos mais e ainda o Museu de Arte Nova mesmo no centro da cidade!

Convidamos-te a fazer esta visita e a descobrir outros exemplares que não estão retratados neste artigo.

Partilha as tuas fotos conncosco no Instagram e no Facebook, com
#artenovaveiro #artnouveauaveiro #sharethefriendship #myfriendsinportugal

Aveiro foi distinguida como a cidade-museu da Arte Nova em Portugal. É membro da “Réseau Art Nouveau Network” a par de Barcelona, Bruxelas, Budapeste, Glasgow, Helsínquia ou Havana – [1]

Neste artigo convidamos-te a vir descobrir o encanto deste período da arte do século XX, fazendo um percurso pelos edifícios e monumentos que ostentam as marcas deixadas por nomes como Ernesto Korrodi, Francisco Augusto da Silva Rocha, Jaime Inácio dos Santos, José de Pinho ou Carlos Mendes.

“O aparecimento de imóveis com características Arte Nova encontra-se associado ao cenário de crescimento e prosperidade económica da cidade. A primeira manifestação Arte Nova no município foi a construção do Fontanário das Cinco Bicas e data de 1880. Contudo, o movimento só se expressou claramente na cidade a partir de 1904. O estilo foi importado por burgueses enriquecidos – comerciantes e industriais – mas também por emigrantes recém chegados do Brasil – os torna-viagem.
Esta realidade, semelhante ao que se verificava no resto do país, veio desempenhar um papel marcante no desenvolvimento do movimento Arte Nova à escala local. A maioria dos edifícios ao gosto Arte Nova em Aveiro são residencias unifamiliares, muito pontualmente associadas à actividade comercial. Excepcionalmente, os elementos Arte Nova eram aplicados em imóveis de construção mais antiga por oferecerem espaços comerciais no rés-do-chão.
O novo estilo concentrava-se, essencialmente, nas fachadas principais dos imóveis, não afectando a volumetria e concepção espacial das edificações, e só muito excepcionalmente se revelando nos interiores. Verifica-se o recurso sistemático às cantarias e serralharias decorativas, mas, acima de tudo, ao azulejo, que na região virá a assumir características originais, pois a local Fábrica da Fonte Nova produziu vários painéis azulejares dentro deste gosto. O azulejo surge, ainda, como um elemento decorativo Arte Nova em construções convencionais. O grupo de responsáveis pela introdução e difusão do estilo na cidade era bastante restrito , destacando-se o nome de Francisco Augusto da Silva Rocha. A Francisco Silva Rocha é atribuída a autoria de uma grande parte dos imóveis Arte Nova de Aveiro e, tendo desempenhado a função de docente na escola técnica, influenciou directamente o trabalho de vários jovens desenhadores e mestres-de-obras. Simultaneamente, o surto Arte Nova é, também, associado ao nome Ernesto Korrodi (referência nacional e amigo pessoal de Francisco Silva Rocha), Jaime Inácio e José de Pinho” – [2]
Referências:

[1] – http://www.centerofportugal.com/pt/rota-da-arte-nova-aveiro/
[2] – Providência, F.,Providência, P., Gomes, A., Falcão, L. e Branco, R. (2011). “Dicionário de Arte Nova”, páginas 16 e 17, Câmara Municipal de Aveiro, Aveiro

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *